Início Formação Humana Você não manda em mim!

Você não manda em mim!

Educar os filhos é um constante desafio. Manter os ingredientes do amor, da firmeza, da acolhida, da autoridade realmente não é fácil, tanto com os pequeninos, como com os adolescentes. Com muita propriedade, quando menos se espera, o filhote sai com a expressão “mas tu não manda em mim!”. Nos segundos que sucedem esta afirmação, muito acontece no emocional e no pensamento do cuidador. “Mas que petulância, que desaforo! Eu te vi nascer, dei mamá, te cuido, te alimento...”, são pensamentos que logo vem à mente, podendo ser acompanhados de sentimentos de raiva, irritação, revolta, impaciência. Mas, calma! Respira! Não é o fim!

O “pior” (para os pais) é que esse “tu não manda em mim” é muito saudável. Há aí uma pessoa em desenvolvimento, formando identidade, vontades próprias, se descobrindo. Há verdadeiramente um outro ser, que muitas vezes não quer fazer o que os pais querem. Não existe a criança (e adolescente) que vai sempre tomar banho quando é solicitado, que sempre come na hora combinada, que arruma suas coisas prontamente, que atende sempre as solicitações, que nunca diz um “só mais um pouquinho”; ou “já vou”. De fato é preciso dizer muitas vezes as mesmas coisas, retomar as combinações feitas, reforçar o ensinado... Educar requer paciência, mas também é uma paciência que se alcança a cada dia, fruto do amor e do conhecimento de saber o que é o melhor para o filho. Realmente paciência é amor. Insistir é amor.

Se, por um lado, compreender essa realidade de desenvolvimento da criança é importante, por outro ser firme também é. Os pais são autoridade e os filhos precisam ter isso bem claro. Podem até testar a autoridade, mas, de seu lado, os pais não podem recuar e deixar o filho mandar. Ele até queria, mas ainda não pode, não tem condições maturacionais de mandar em si. Sim, quem manda é os pais. Não de forma autoritária, mas com autoridade, firmeza. Essa autoridade dá para a criança segurança emocional, ainda que às vezes ela reclame.

Bater muito de frente não resolve. É bom driblar um pouco, acolher o filho, pode dizer algo “eu sei que tu não queria fazer isso agora, como tu queria te mandar, mas, sinto muito, agora não dá mais... Agora temos que fazer outra coisa...” O contar 10s pode ajudar. A conversa com a criança sobre o mandar, o que ela já pode fazer, o que ainda não pode, e o reforço de que quem manda são os pais sim, são os adultos, é bem importante. Reforça na criança (e talvez nos adultos) a idéia de que na família cada um tem seu lugar, e que não dá para os pais virarem os filhos e estes se tornarem autoridade! Os papéis esclarecidos na família favorecem uma rotina tranqüila, organizada e respeitosa.

Fonte: * Texto publicado no Jornal Cidade Leste, edicação de julho de 2012

 
Rádio Fraternidade
Campanha Outubro

0%
Graças a Deus, fechamos
a Campanha em Setembro.
Continue nos ajudando e
vamos juntos construir
um mundo fraterno.
Pe.Ladislau Molnár. 

Pesquisa no Site
Mensagens da Bíblia
Meu filho, se estiveres doente não te descuides de ti, mas ora ao Senhor, que te curará. (Eclesiástico 38, 9)