Início Formação Teológica Castidade - 1. Conhecendo melhor nossa sexualidade

Castidade - 1. Conhecendo melhor nossa sexualidade

Por Rosane Rodrigues
Consagrada de Vida da Fraternidade Nª Sª da Evangelização

1.1 A Sexualidade e o que Deus pensou para a humanidade

“Deus é amor: aquele que permanece no amor permanece em Deus e Deus permanece nele” (1 Jo 4,16). Refletindo a partir desta verdade anunciada por São João evangelista é oportuno nos dias atuais, buscarmos sempre mais compreendermos melhor o que Deus pensou para o homem e a mulher aos criá-los à sua imagem e semelhança. Deus Pai que, desde a eternidade, vive em comunhão de amor com Deus filho e Deus Espírito Santo quis transbordar esse amor para a humanidade inscrevendo em seu coração uma vocação, isto é, a capacidade e a responsabilidade para o amor comunhão.  Na busca da vivência do amor comunhão está incluída a procura da exata compreensão do que venha ser a sexualidade humana que, na verdade, engloba todos os aspectos da vida do homem e da mulher.
“A sexualidade deve ser entendida como uma força e dimensão humana para a edificação da pessoa, assim aparece, uma moral sexual centrada na pessoa”  .  “Ela afeta todos os aspectos da pessoa humana, na sua unidade de corpo e alma e diz respeito particularmente à afetividade, à capacidade de amar e de procriar e, de uma maneira mais geral, à aptidão a criar vínculos de comunhão com os outros.”   Partindo desses conceitos é coerente dizer que a vocação à comunhão que Deus chama o homem e a mulher deve se dar com base no respeito de um pelo outro. Segundo Maria Inês de Castro Millen, médica, professora e teóloga, a sexualidade decorre do mistério da pessoa humana em sua totalidade, do seu núcleo mais íntimo, de sua configuração mais originária que abrange o ser humano todo e durante toda a sua vida .
Ao percorrer o caminho do entendimento a cerca da sexualidade humana muito importante também é ter-se a clareza de que o ser humano é composto de corpo e alma, ou seja, espírito e matéria que se complementam. O homem e a mulher que foram pensados por Deus para viverem uma realidade corpórea-espiritual e podemos falar, então, de corporeidade.

A palavra corporeidade é mais abrangente, se refere ao eu “espiritual-corpóreo” que vive uma experiência única e irrepetível e indica a inteira subjetividade humana, sob o aspecto de sua condição existencial corporal, na configuração constitutiva de sua identidade pessoal. Corporeidade é, portanto, a expressão, o reflexo visível e a realização do ser humano uno e indiviso .

 Pois, eis que Deus é amor, e ao criar o homem e a mulher a sua imagem semelhança concede a eles a mesma força divina que o impulsiona um em direção ao outro. “Eros e Ágape: amor ascendente que procura Deus e amor descendente que transmite o dom recebido”  .
“Assim, Deus então, em seu infinito amor, cria o homem e a mulher com a mesma dignidade na diferença e na complementaridade físicas, morais e espirituais que são dirigidas para o bem do casamento e do germinar da vida familiar”  . O amor conjugal é então, a forma de vivenciar na carne, a generosidade e a fecundidade do Criador. Porém, esse amor para ser a imagem da presença divina, deve ser vivido como amor doação.
Conforme Karol Wojtyla, em seu livro Amor e Responsabilidade, “a entrega da mulher ao homem, tal como acontece no amor conjugal, exclui, moralmente falando, que ele ou ela possam dar-se ao mesmo tempo e do mesmo modo a outras pessoas”  . Para o homem e a mulher viverem plenamente o amor doação, segundo a vontade divina, vai exigir deles o domínio necessário sobre as paixões, domínio este, que é alcançado, não somente pelas suas próprias forças, mas pelo auxílio que o próprio Deus-Criador dispõe ao ser humano: a virtude da castidade, que é a “virtude própria de todos, seja para aqueles que praticam a sexualidade no matrimônio ou para os que decidiram não praticá-la”  .
Assim sendo, o papel da sexualidade é de tal importância para a realização humana, que Jesus Cristo veio restaurar a criação na pureza de sua origem e, adverte aos homens quanto ao plano de Deus: “Ouvistes o que foi dito ‘Não cometerás adultério’. Eu, porém, vos digo: todo aquele que olha para uma mulher como desejo libidinoso já cometeu adultério com ela em seu coração.” (Mt 5,27-28). E, da mesma forma “a Tradição da Igreja compreendeu o sexto mandamento como englobando o conjunto da sexualidade humana”  .

 
Rádio Fraternidade
Campanha Janeiro

0%
Tivemos dificuldades em 
fechar a Campanha no
mês de dezembro.
Não deixe de nos ajudar.
Precisamos de você!
Pe.Ladislau Molnár. 

Pesquisa no Site
Mensagens da Bíblia
Meu filho, se estiveres doente não te descuides de ti, mas ora ao Senhor, que te curará. (Eclesiástico 38, 9)